Usando o Toad como Melhor Ferramenta Gratuita para Gerenciamento de Banco de Dados

-novembro de 2013+
dstqqss
272829303112
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
1234567
  • RSS
  • Subscribe

Estatísticas

  • Entradas (54)
Postado por leopedrini sexta-feira, 1 de novembro de 2013 08:22:00 Categories: Microsoft Access Microsoft Excel Relatórios e Apresentações Utilitários

Exemplo com Toad Freeware e Oracle Instant Client

Rate this Content 3 Votes

Sem dúvidas a utilização de dados hoje em dia é bem maior que há pouco tempo atrás. A tendência é que esse crescimento aumente cada vez mais. E em qualquer área onde houver essa necessidade de utilização de dados, haverá também uma forma de armazenamento e controle dos mesmos, como os grandes Bancos de Dados.

Na área de Telecom e TI por exemplo, inúmeros elementos, alarmes, contadores e indicadores, reclamações e chamados de serviço, dados de clientes e diversas outras grandezas precisam ser devidamente armazenadas para que possam posteriormente ser trabalhadas de forma a se extrair resultados como análises e relatórios.

 

É natural que em um nicho tão definido e com tanta expectativa de crescimento tenhamos muita concorrência, e consequentemente diversas (boas) opções. Como exemplo de bons Bancos de Dados podemos citar ‘Oracle’, ‘SQL Server’, ‘IBM DB2’, ‘MySQL’, ‘SYBASE’, entre outros. Os Bancos de Dados, entre outras características, podem ser classificados como Relacionais e Não Relacionais...

Bom, não vamos complicar: esse é assunto bem mais complexo, e é tratado por profissionais especializados. E esse tipo de profissional, conhecido como DBA ou ‘Database Administrator’ é responsável, como o próprio nome sugere, por toda a Administração do Banco de Dados.

Entre outras coisas, o DBA pode fornecer acesso (dados da conexão, usuário e senha) ao Banco de Dados sob sua administração. E é a partir daí que entra o nosso tutorial de hoje.

 

 

 

Objetivo

Conhecer uma ferramenta gratuita (Toad Freeware) que nos permite trabalhar com grandes Bancos de Dados. Como exemplo, vamos mostrar como acessar dados de um Banco de Dados Oracle. Além disso, veremos como configurar o Oracle Instant Client, evitando a instalação local de um Banco de Dados Oracle.

Nota: Esse não é um tutorial voltado para DBA’s, embora se você for um, fique à vontade para nos acompanhar.

Todos os Bancos de Dados podem ‘exportar’ os seus dados e relatórios através de aplicações específicas - geralmente uma interface Web ou um aplicativo específico/proprietário. Mas existem casos em que o acesso ‘direto’ aos os dados originais armazenados são bem mais desejados ou até mesmo necessários.

Isso pode ocorrer por exemplo quando as aplicações ‘Client’ não possuem todos os dados necessários para a análise (como por exemplo para uma análise mais profunda onde seja necessária a análise de mais campos dos que os mostrados nos relatórios/tabelas padrão).

O acesso a esses dados brutos também é útil em casos onde a informação serve de entrada para outras análises e relatórios, e a obtenção dos mesmos de forma manual seria um limitante desnecessário.

 

Nota: É comum os DBA’s oferecerem uma certa ‘resistência’ a permitir o acesso a esses dados armazenados - o que é compreensível - eles querem que você acesse apenas através das interfaces que eles sugerem/constroem. Entretanto, expondo a necessidade, você deve conseguir pelo menos um acesso ‘somente-leitura’ aos dados. Assim, você não corre o risco de fazer nenhuma ‘besteira’, e pode fazer o seu trabalho.

Em outras palavras podemos ‘trazer’ os dados dos grandes Bancos de Dados para um formato mais ‘amigável’, ou um ambiente mais controlado para usuários não avançados. E aí trabalhar os mesmos utilizando programas com os quais estamos mais familiarizados, como o Microsoft Access ou Excel. A partir desse ponto, podemos trabalhar os dados como quisermos.

Observação: Não é a intenção aqui discutir as vantagens e desvantagens de um Banco de Dados mais popular como o Access, e nem Planilhas do Excel (que de certa forma também podem ser consideradas / utilizadas como ‘Banco de Dados’). Estamos apenas focados em trazer os dados que precisamos de um Banco de Dados de mais ‘complexo’ para um que estejamos mais acostumados a trabalhar.

Nesse ponto, surge agora um outro problema: Qual a melhor ferramenta para realizar o acesso a esse Banco de Dados?

Pois é esse um dos nossos objetivos hoje: buscar a melhor solução para esse acesso.

 

E então, quais são as melhores alternativas de ferramentas de Banco de Dados?

Essa realmente é uma pergunta polêmica, pois temos defensores ‘ferrenhos’ de diversas boas opções.

A lista de opções é bem grande, e podemos listar alguns dos principais:

  • Tora
  • DbVisualizer
  • SQuirreL SQL
  • Oracle SQL Developer
  • PL/SQL Developer
  • Orbada
  • SQLPal
  • Toad
  • Data Visualization
  • SQL Maestro

Poderíamos continuar com a lista, ou começar a detalhar as características de cada um dessas ferramentas existentes, para quais Banco de Dados se aplicam, se são gratuitos ou pagos, etc. Mas este também não é nosso objetivo, e se você quiser maiores detalhes sobre essas e outras ferramentas, sugerimos a leitura da comparação de banco de dados no site da Wikipédia.

 

Certo, mas qual Ferramenta de Banco de Dados devo usar?

Após conhecermos um pouco do assunto, podemos voltar ao nosso objetivo principal: simplesmente obter os dados armazenados em grandes Bancos de Dados (Oracle, SQL Server, etc.) para utilizar em nosso trabalho com programas mais simples como Access ou Excel.

Pelo próprio título do tutorial, você já deve saber que a nossa escolha é o Toad.

Na escolha, e pelo nosso objetivo, levamos em conta algumas características, e uma delas é se a ferramenta é gratuita ou paga. O Toad, como a maioria dessas ferramentas, possui versão paga (completa), mas também tem uma versão gratuita (‘Freeware’), onde você pode usar o programa com algumas limitações. Se gostar, e achar que a versão completa vale a pena, pode então decidir comprar.

Também levamos em conta a quantidade de usuários - a comunidade do Toad é bem grande, ou seja, é bem provável que você consiga ajuda caso precise. E também: no site do Toad temos uma grande quantidade de material educacional disponível, basta procurar o que deseja e baixar.

 

Site do Programa

Agora que já definimos o que desejamos fazer (bucar os dados um Banco de Dados para arquivos locais que poderão ser processados por macros do Access ou Excel) vamos ver como fazer isso usando o Toad.

Mas existe um outro detalhe importante a ser considerado: Dependendo do tipo de Banco de Dados (Oracle, SQL Server, etc.) teremos diferentes tipos de ferramentas de acesso ao mesmo.

Em outras palavras, precisamos saber de qual Banco de Dados vamos buscar as nossas informações. E aí, baixar o programa específico.

Nossa escolha de exemplo é acessar um Banco de Dados Oracle.

Então visite o site http://www.toadworld.com/m/freeware/default.aspx e baixe a versão que mais se adequa a você: Toad for Oracle Freeware 64 ou 32 bits.

 

Para baixar o ‘freeware’, é necessário criar um ‘login’ gratuito (caso você ainda não tenha).

 

O cadastro é simples e rápido, e em poucos segundos você poderá baixar o arquivo desejado.

 

Faça a instalação padrão, e estamos prontos para usar o Toad para acessar os dados de uma Banco de Dados Oracle.

 

Tudo estava indo bem. Mas quando você clica ‘OK’, surge um erro, informando que não foi encontrado nenhum Oracle Client instalado!

 

Isso é até esperado: se você está instalando o Toad para acessar um Banco de Dados Oracle, provavelmente não tem nada de Oracle instalado/configurado em seu computador ainda.

 

Instalando (configurando) o Oracle Instant Client - Passo a Passo

Mas para que você (o Toad) consiga acessar um Banco de Dados Oracle, ele precisa ter as informações como drivers, arquivos e configurações do Oracle. Para isso, você tem duas opções:

  • Instalar um Oracle Client Database;
  • Ou ‘instalar’ um Instant Client do Oracle.

Essa última opção (Instant Client) é bem mais recomendada no nosso caso, já que poderemos rodar as nossas aplicações (no caso o Toad) sem ter que instalar o cliente padrão do Oracle, que consome muito mais espaço.

Veja que na segunda opção - que é a que vamos usar - colocamos a palavra ‘instalar’ entre aspas. Isso porque na verdade não é uma instalação padrão, com um arquivo do tipo ‘Setup.exe’.

A ‘instalação’ do Oracle Instant Client na verdade consiste em copiar alguns arquivos e configurar duas variáveis de ambiente do Windows. Pode parecer complicado, mas é bem simples, e vamos ver a seguir.

Primeiro, acesse o site do Oracle e faça uma pesquisa por ‘Instant Client’, ou vá diretamente para a área de Downloads.

 

Escolha o Instant Client adequado a você, baixe, e prossiga com a instalação padrão. (Da mesma forma que o Toad, a Oracle também solicita um breve cadastro para baixar os dados, mas não se preocupe, também é gratuito e rápido).

Como previsto, você baixou um arquivo do tipo ZIP, com vários arquivos compactados.

A segunda ação a ser tomada (após baixar o arquivo) é criar um diretório local no seu micro, onde as informações do Oracle vão ficar armazenadas. Nesse exemplo criamos o diretório: ‘C:\OracleInstantClient\’. Em seguida extraia os arquivos do arquivo ZIP que você baixou para este diretório.

 

Agora, vamos para a terceira e última ação para ‘instalar’ ou na verdade configurar o Oracle Instant Client: configurar as variáveis de ambiente, para que o Windows ‘acredite’ que tem o Oracle instalado - mesmo que numa versão digamos, ‘alternativa’.

Assim, precisamos configurar duas variáveis de ambiente: PATH e TNS_ADMIN. Nota: considerando que estamos usando Windows, porque no UNIX a variável PATH chama-se LD_LIBRARY_PATH.

Para configurar essas variáveis, precisamos acessar as variáveis de ambiente do Windows. Para isso acesse o Painel de Controle -> Sistema e Segurança -> Sistema -> Configuração Avançada do Sistema.

 

Clique em Variáveis de Ambiente (1).

 

Surge então a tela onde configuramos as variáveis de ambiente no Windows, ou seja, onde vamos inserir ou modificar as nossas variáveis.

Variável PATH: essa é uma variável do sistema operacional, e provavelmente já exista no seu caso. É utilizada para localizar alguns executáveis que o Windows precisa. Caso essa variável não exista, basta clicar no botão ‘Novo’ (1), no grupo de variáveis de ambiente.

No nosso caso essa variável já existia com algumas instruções do Windows, então o que vamos fazer é editá-la, inserindo um ‘ponto e vírgula’ e a nossa nova instrução no final. No caso, vamos inserir na variável PATH o caminho ou localização do nosso Instant Client: ‘C:\OracleInstantClient\’. Então, selecionamos a variável PATH (2) e clicamos no botão ‘Editar’ (3).

 

A seguir, temos o conteúdo (valor) inicial dessa variável, e como ela vai ficar (lembre-se de incluir o separador ‘;’).

 

Apenas com essa variável definida, o Windows já ‘entende’ que tem um Oracle ‘instalado’.

Tanto que se você abrir novamente o Toad, não teremos mais o erro: ‘No valid Oracle clients found. You need at least one 64-bit client properly configured.’ Nota: esse erro é específico para a nossa versão (Windows 8 64 bits), no seu caso pode ser diferente.

O client já está ‘instalado’ (1) - ele aparece na lista. Porém ainda não temos TNSNames_Editor habilitado (2)!

 

Isso significa que, embora já seja possível para o Toad encontrar o Oracle Client, o mesmo ainda não está completamente configurado. Isso porque o Oracle trabalha lendo um arquivo do tipo ‘tnsnames.ora’, um arquivo de texto simples contendo as instruções do Oracle.

Para resolver esse problema, vamos inserir mais uma variável de ambiente: TNS_ADMIN. Seguindo o mesmo procedimento que fizemos para adicionar (ou editar) a variável PATH, atribuímos os seguintes valores à variável TNS_ADMIN.

Variável TNS_ADMIN: essa variável é responsável por informar onde se localiza o arquivo ‘tnsnames.ora’. Como vimos, esse arquivo contém as instruções de acesso ao Banco de Dados.

 

Abaixo, um exemplo de acesso a um servidor Oracle fictício do telecomhall.

 

Assim, após inserir a variável TNS_ADMIN, e criar um arquivo ‘tnsnames.ora’ no local onde essa variável indica, abrimos novamente o Toad. Veja que agora além de saber que temos um Client instalado (1), o Toad identifica o arquivo ‘tnsname.ora’ (2), e já carrega os seus dados (3).

 

Clicando no botão ‘TNSNames Editor’ (4) na janela acima, abrimos um editor do arquivo ‘tnsnames.ora’, e podemos fazer edições no mesmo, inclusive adicionando novos Servidores Oracle para serem acessados (todos ficam disponíveis na lista DropDown de Banco de Dados).

 

Pronto. Acabamos de configurar, e agora basta abrir novamente o Toad, e acessar o nosso Banco de Dados Oracle!

Obtenha um Usuário e Senha com o DBA (Administrador) do Oracle, e preencha os locais correspondentes (1). DICA: selecione a opção ‘Salvar Senha’ (2) caso apenas você utilize esse computador. Assim da próxima vez você não terá que digitar mais nada.

 

Clicando no botão ‘Conectar’ (3) na tela anterior, você tem acesso à tela principal do Toad, com acesso à um grande número funcionalidades de Banco de Dados. Uma interface gráfica realmente completa.

 

A princípio você pode até achar um pouco confuso, mas vamos mostrar o passo a passo de uma tarefa simples: buscar os dados de uma ou mais tabelas - através de uma consulta SQL - e exportar os mesmos para um arquivo do tipo Texto em seu computador.

Caso você tenha noções de SQL, e conheça a estrutura do Banco de Dados Oracle que está acessando, pode criar sua própria consulta SQL. Caso contrário, sugerimos que você solicite ao DBA que lhe envie um arquivo com a sintaxe SQL necessária para obter acesso aos seus dados.

Ele vai enviar o código SQL, que você pode salvar num arquivo de texto simples utilizando o Bloco de Notas do Windows. Em seguida, renomeie este arquivo de ‘.TXT’ para ‘.SQL’.

 

Pronto, na interface principal do Toad, acesse o ícone ‘Abrir Arquivo’ (1) e localize o seu arquivo com o código SQL. Como dissemos, se preferir pode escrever o SQL diretamente na região (2).

 

A sua consulta vai ser aberta (1). Localize o botão ‘Executar’ e clique nele (2).

 

Pronto, os seus dados agora estão disponíveis no grid na parte inferior da tela principal do Toad (1).

 

Clique com o botão direito do mouse sobre esse grid (1), e escolha ‘Exportar Dados’ (2).

Na tela de exportação, você pode fazer os ajustes finais, para o seu arquivo de saída. Pode atribuir um nome ao mesmo (1), e inclusive escolher se o resultado já deve ser compactado - formato ZIP (2). Se precisar, pode fazer substituição de dados (3), entre diversas outras opções de ajuste dos dados de saída.

Um ponto de atenção aqui é para o Delimitador (4) - escolha o que você irá usar, de acordo com a aplicação onde você vai importar esses dados.

E não se preocupe - os ajustes feitos aqui permanecem na próxima exportação.

 

Pronto: os seus dados foram obtidos do Banco de Dados Oracle, e agora estão disponíveis em seu computador, preparados para serem importados em seus programas habituais (como Microsoft Access e Excel) e gerar os seus relatórios e análises!

 

Versão Completa (Paga)

Se você utiliza muito esse tipo de ferramenta, provavelmente deve comprar uma versão mais completa, com mais acesso a todos os recursos.

Observação: mesmo sendo uma versão gratuita, a interface contém todos os comandos da versão completa, inclusive os avançados, até para que você consiga saber que estes comandos estão disponíveis em uma versão paga. Naturalmente, quando você acessa esses comandos avançados, a ferramenta informa que fazem parte apenas da versão completa. Ou então, eles simplesmente aparecem desabilitados (em cinza).

Nesse exemplo demonstramos todo o processo para utilizar o Toad para Oracle, mas você pode adquirir uma versão completa para todos os principais tipos de Banco de Dados existentes.

 

Conclusão

Vimos hoje um tutorial completo sobre as melhores ferramentas para acesso direto aos principais Banco de Dados existentes. Para demonstração dessas ferramentas escolhemos o Toad Freeware.

E como Banco de Dados, escolhemos o Oracle, demonstrando também todo o procedimento para conseguir acessar um Banco de Dados Oracle numa rede, sem necessidade de instalar um Banco local ou nenhum novo Serviço - para isso, simplesmente configuramos o Oracle Instant Client.

É claro que não foi nosso objetivo cobrir todos os aspectos relacionados a Bancos de Dados e ferramentas, mas pelo menos apresentamos um bom ponto de partida para você que tem interesse nessa área, mas não sabia por onde começar.

Esperamos que tenham gostado, e até nosso próximo encontro!