Microsoft Access para Telecom - Parte 3 (Consultas de Referência Cruzada)

quinta-feira, 29 de setembro de 2011 15:59:00 Categories: Microsoft Access
Rate this Content 0 Votes

Olá pessoal, vamos ver hoje mais uma excelente dica de utilização prática do Access em uma atividade comum de Análise em Telecom e TI.

 

 

E para isso vamos conhecer mais um novo tipo de consulta SQL – a consulta de Referência Cruzada. Embora o nome pareça complicado, essa consulta pode nos ajudar bastante. Então vamos ver como fazer?

 

Download

Para baixar os arquivos deste tutorial, clique aqui.

Observação: O Hunter SDK é o conjunto de ferramentas criadas e demonstradas no telecomHall – incluindo as Macros e Códigos. O Hunter SDK somente é enviado para Colaboradores Doadores, como forma de agradecimento pela contribuição realizada e reconhecimento do esforço dedicado. Clique aqui se desejar saber mais.

 

Cenário

Primeiro, definimos o nosso cenário, ou problema: A partir de uma tabela com dados de Performance, apresentar esses dados em duas dimensões!

Opa, ficou mais complicado ainda? Calma, como os exemplos você verá que é interessante.

Então suponha como exemplo a tabela de Performance agrupada por BSC, como mostrada nos tutoriais do módulo ‘Hunter Performance’, e disponibilizada para Download. Vamos verificar as ‘Grandezas de Tráfego’ em cada uma das nossas 4 BSC’s (qual BSC tem mais tráfego, qual o comportamento de cada uma, etc...).

Na apresentação normal dos dados da tabela ‘PERF_G_BSCRNC’  temos campos para ‘Data’ (varDateTime), ‘BSC’ (BSCRNC) e também ‘Tráfego’ (TRAF) de cada BSC, em cada período.

 

Podemos reordenar a tabela, por exemplo por ‘Data’ (varDateTime) e ‘BSC’ (BSCRNC). Ainda assim, os nossos dados ficam agrupados em apenas uma direção – agora dá pra ver evolução para cada BSC separada, por período.

 

Tudo bem, fica melhor para visualizar. Mas e se conseguíssemos colocar um eixo na Horizontal e outro na Vertical, não seria melhor?

 

Primeiro Exemplo

Pois isso é bem simples de se fazer com o Access. Nota: estamos demonstrando aqui com poucos dados, e as vantagens não são tão perceptíveis. Mas quanto maior a quantidade de dados, mais esse tipo de consulta nos ajuda nas análises. Vamos ver isso melhor daqui a pouco.

Vamos fazer! Acesse o Menu: ‘Create’ (1) -> ‘Query Wizard’ (2) e escolha ‘Crosstab Query Wizard’ (3). Clique no botão ‘OK’ (4).

 

Na primeira tela do Wizard, você pode escolher a Tabela (ou Consulta) onde econtram-se os nossos dados que desejamos consultar. No nosso caso, temos ainda apenas uma tabela, e ela portanto já está selecionada (1). Clique no botão ‘Next’ (2) para continuar.

 

Na tela seguinte, definiremos qual o campo deverá aparecer no ‘Eixo Y’, ou ‘Linhas’ de nossa Consulta. Vamos escolher o campo ‘BSCRNC’ (1). Perceba que podemos escolher mais de um campo, mas vamos deixar assim por enquanto. Clique no botão ‘Next’ (2) para continuar.

 

Na próxima tela definiremos qual o campo deverá aparecer no ‘Eixo X’, ou ‘Colunas’ de nossa Consulta. Escolha o campo ‘varDateTime’ (1). Clique no botão ‘Next’ (2) para continuar.

 

Na próxima tela, temos a opção de escolher algum tipo de agrupamento para os cabeçalhos. Vamos escolher como ‘Date/Time’ (1), pois não queremos agrupamento. Clique no botão ‘Next’ (2).

 

Agora, para concluir, escolha o dado que deverá ser apresentado. Em ‘Fields’ escolha ‘TRAF’ (1), e em ‘Functions’ escolha ‘Sum’ (2) para somar os valores de Tráfego que forem agrupados por Linha/Coluna. Desmarque também a opção de Somas por Linhas (3). Por enquanto não queremos isso. Para terminar, clique no botão ‘Next’ (4).

 

Na última tela você tem a opção de salvar essa consulta com um nome desejado qualquer (1). Vamos deixar o padrão mesmo. Deixe selecionada a opção de visualizar a Consulta (2), e clique em ‘Terminar’ (3).

 

E então, o nosso resultado esperado.

 

Tudo bem, talvez você ainda não esteja conseguindo enxergar os benefícios que uma simples visualização cruzada de ‘Linhas x Colunas’ pode nos trazer.

Mas então, vamos fazer o seguinte. Vamos ‘transportar’ os dados dessa tabela (CTRL + C, CTRL + V) para o Excel, e aplicar algumas Formatações Condicionais.

De forma muito intuitiva - sem ver valores – vemos rapidamente que a BSC ‘BSCC’ (1) é a que tem o menor Tráfego cursado. E que a ‘BSCB’ (2) é a que tem o maior Tráfego Cursado, seguida logo de perto pela ‘BSCD’ (3).

 

Simplesmente aplicando uma nova Formatação Condicional podemos imediatamente tirar outras conclusões: o comportamento de tráfego da ‘BSCC’ é diferente no Sábado (1).

 

Outro Exemplo

Certo, aprendemos a criar consultas de Referência Cruzada. Mas quer ver um exemplo mais prático e interessante ainda?

Vamos lá.

Considere os nossos dados de exemplo para 10 sites (GAAA1 até GAAK1). Novamente vamos utilizar dados de exemplo das tabelas do módulo ‘Hunter Performance’ acumulados por CELL. Posteriormente vamos mostrar diversas formas de análises desses dados, mas vamos ver hoje uma forma simples, utilizando apenas o auxílio direto do tipo de consulta que aprendemos hoje.

Considere ainda que temos dados (exemplo) para esses mesmos sites do dia 13 ao dia 30 – já dá para fazer algumas análises rápidas.

Para demonstrar, vamos analisar a Taxa de Quedas de Chamadas das células desses sites.

Ok, temos a tabela com os dados, e aí? Naturalmente você pode fazer alguns cálculos, ordenar a taxa de forma Crescente e depois Descrescente. Mas continua a pergunta: e aí?

 

O fato é que dados em forma tabular, sem um tratamento adequado, não servem para muita coisa.

Mas veja o que acontece, se simplesmente seguimos os passos acima e criamos uma nova consulta de referência cruzada, usando:

  • Tabela base: ‘G_PERF_CELL’
  • ‘Cabeçalho de Linha’: o campo ‘CELLNAME’
  • ‘Cabeçalho de Coluna’: o campo ‘varDateTime’
  • ‘Valor de Interseção’: o campo ‘DROP_P’ (Taxa de Quedas de Chamadas %, que estamos analisando).

 

Executando a consulta, os dados ficam muito mais simples de serem analisados. Por exemplo, vemos que o site GAAE1 (1) começou a apresentar dados apenas a partir do dia 20 – ou o site estava fora de serviço, ou foi ativado nessa data!

 

Continuando mais um pouco, para concluir.

Veja o que acontece se simplesmente colamos esses dados numa planilha do Excel e aplicamos uma Formatação Condicional.

 

Diversas conclusões já podem ser feitas sobre a nossa rede, baseada nesses simples dados formatados – e perceba que nem precisamos nos preocupar com valores numéricos para isso!

Por exemplo:

  • O site GAAC1 (1) é o pior, ou mais ofensor em termos de Taxa de Queda de Chamadas (maior quantidade de registros Vermelhos)
  • O site GAAE1 (2) somente apresenta dados a partir do dia 20 – ou estava fora de serviço, ou foi ativado recentemente, como já havíamos notado mesmo sem a formatação.
  • GAAH1 (3) está piorando, aumentando a sua Taxa de Quedas (registros ficando mais Vermelhos)
  • O site GAAI1 (4) é o melhor site da nossa rede (praticamente todos os registros Verde). Pode ser usado por exemplo como referência de parâmetros para demais sites problemáticos.

Bom, é isso. É claro que a análise aqui foi bem rápida, mas serviu para demonstrarmos como você pode, com alguns pequenos ‘artifícios’ facilitar e melhorar a Qualidade das suas Aanálises em geral.

Esse exemplo foi demonstrado para Quedas, mas pode ser aplicado a qualquer outro Indicador. Além disso, existem diversas outras formas de melhorar ainda mais essa árdua tarefa de buscar sempre os ofensores da Rede, primeiro passo para o disparo de ações de solução dos mesmos!

Essa é a filosofia do Hunter, cuja evolução você deve estar acompanhando e praticando, e deve conseguir sem problemas aplicar as mais modernas técnicas apresentadas em sua Rede, sempre de forma integrada, organizada e simples.

 

Conclusão

Este foi mais uma dica de utilização do Software Access, da Microsoft, com aplicações na área de TI e Telecom.

Aprendemos hoje uma forma simples de análise, utilizando Consultas de Referência Cruzada. Dependendo da necessidade, esse tipo de consulta pode ser bem interessante.

Essas consultas funcionam como auxiliares, podendo por exemplo ser criadas/acessadas pelo código VBA, expandindo bastante o universo de possibilidades e ações.

Embora demonstrado como exemplo para área de Telecom, o escopo não está limitado a essas áreas apenas. Uma vez entendido os conceitos, ficará bem mais simples entender e aplicar em qualquer outra área.

Esse é o nosso objetivo, e vamos continuar sempre buscando apresentar o melhor conteúdo, sempre sendo práticos e indo direto ao assunto – somente aquilo que interessa ser visto.

Obrigado pela companhia, e até nosso próximo encontro!